terça-feira, agosto 05, 2008

 

Going with the flow

Viajar é um enorme prazer para toda a gente, embora diferentes pessoas prefiram diferentes tipos de viagem (por isso não se deixem enganar pela toada de desabafo de um dos poucos aspectos negativos da viagem). Para um backpacker a viagem ideal é aquela em que consegue manter-se à tona da água com pouco dinheiro, onde conhece de forma particularmente intensa a realidade local, consegue cobrir uma área considerável, conhece bons companheiros de viagem e principalmente fez uma viagem que é única, que é sua. Por uma questão lógica quando temos muitas pessoas a optarem por este tipo de viagem num percurso com poucas opções perde-se este elemento de exclusividade e sentimo-nos desiludidos com a viagem. Alguns momentos nesta viagem provocarem este sentimento que pode ser melhor exposto através dos seguintes exemplos.
Na primeira ocasião tínhamos saído em Surah Tani, num avião com origem em Bangkok. O destino final era a ilha de Ko Pagnha e para lá chegar era necessário viajar até ao porto apanhar um ferry. No aeroporto de chegada e uma vez com as malas levantadas os pensamentos seguintes são dirigidos a como sair do aeroporto e que transporte apanhar para o destino final. Normalmente nestes locais não temos a opção do comboio e muito menos do metro. Resta então algum tipo de transporte individual, como o táxi, ou colectivo, como o autocarro. Para distâncias curtas e num país com preços relativamente baixos o táxi é uma opção muito forte (45 min em táxi fica por cerca de 6€), mas para distâncias superiores é normal optar pelo autocarro. Neste caso quando saímos do aeroporto estavam já 2 autocarros à nossa espera e uma vez que isto ia de encontro às nossas expectativas para a distância a percorrer ficamos obviamente satisfeitos com o facto consumado. A desilusão veio porque os 2 autocarros foram totalmente preenchidos de (a capacidade total era de 100) pessoas que iam fazer exactamente o mesmo que nós: chegar às ilhas no sul da Tailândia. Só mais tarde, já no ferry, iria alcançar a figura de estilo perfeita para o que estava a passar: vi 40 porcos enjaulados na traseira de uma camioneta. O alto funcionário da agência de viagens que controlava o autocarro procurava a todo o custo saber para que ilha nos dirigíamos e assim vender-nos não apenas o bilhete de autocarro mas também o bilhete de barco para o destino final, conseguindo assim um preço de “bundle” (pela dificuldade que teve em calcular o custo para apenas uma parte do percurso ficou claro que o famoso bundle era a única opção disponível). As almas que a partir daí tiveram fome na mesma cidade que nós, que viajaram connosco de autocarro até ao porto continental e daí até ao porto da ilha e que depois procuraram hotel nas mesmas condições, foram sempre as mesmas, criando-se uma certa familiaridade que eliminou toda a exclusividade do que fazíamos. Sentia a ideia de ir até Ko Pagnhan desde Bangkok como universal e estava em época baixa, ou seja, poucos dias após a “full moon party”.
Sair de Ko Pagnhan de noite, para evitar assim pagar uma noite em hostel e no dia seguinte de manhã continuar com uma viagem de autocarro que cruza a península até ao local onde apanhamos o barco que vai até à ilha final num total de 15 horas, parece um plano razoável e ao que depois conclui, é razoável para muito mais pessoas! Perto das 9 da noite quando nos aproximámos da carrinha que nos ia levar ao porto começou a desilusão. Éramos mais do que aqueles que a carrinha estava legalmente habilitada a levar. Depois de empacotados, nós, carne humana (em parte carne britânica e jovem o que piorou em termos sonoros a coisa), fomos deixados no porto onde entrando no barco podíamos rapidamente escolher o nosso bocado de colchão na madeira. A espera enquanto os capitães locais procuravam encher o barco foi revoltante. Uma vez no mar foi possível dormir, em grande companhia. Cansados esperávamos facilidades mas para nós que tínhamos um bilhete “door-to-door” o pior estava ainda para vir. No autocarro que atravessaria a península quase não havia lugares e o frio do ar condicionado era difícil de aguentar. Uma vez superada esta prova de 3 horas faltava a última e mais difícil. Chegados ao último ponto de partida a espera de 2 horas em pé pelo barco, num cenário de chuva, quando nos dirigíamos para uma ilha onde pretendíamos fazer praia e depois de uma noite em que praticamente não havíamos dormido foi desesperante. Uma vez no barco apinhado de “carne humana” a única coisa que nos alegrou foi um grupo de australianos que como diversão colocavam as cascas da fruta que tinham acabado de comer na cabeça uns dos outros enquanto tiravam fotografias. A viagem até lá tinha sido dura mas não tanto!
Quando saímos finalmente de Chiang Mai (digo finalmente sem qualquer desprimor porque gostei sinceramente da cidade) e entrámos às 7 da manhã num autocarro repleto de locais e que partia com direcção a norte, chegando à sua última paragem na fronteira com o Laos, pensei sinceramente que este fenómeno não se iria repetir nesta viagem. A minha inocência alicerçava-se em simples sinais como a viagem de autocarro ter sido feita com pouca companhia turística e estarmos em época baixa. Fui novamente surpreendido. Os primeiros sinais de que me havia enganado estavam ali quando fui jantar nessa noite e principalmente no dia seguinte de manhã. A agitação de táxis para levar a manada para o “porto” desta cidade fronteiriça e principalmente a espera de hora e meia enquanto carregavam o barco de “carne humana” foram demasiado claras de que mais uma vez não estava só…
Pior que sentir este assalto à exclusividade foi outro ponto comum a todas as situações e que conseguiu consumir-me ainda mais o espírito. É que no Sudoeste asiático não existe o conceito de horário de partida, mas antes o conceito de lotação de partida. Para quem foi informado que existe uma hora de saída para que assim consigam cumprir quanto muito com a “hora média de partida” (o que é isso?), que no último caso era entre as 11 e o meio-dia, é revoltante ver que a partir das 10 horas, altura em que o barco se apresentava bastante vazio, há uma constante aglomeração de companheiros na “exclusividade” que vão entrando com um ar de sofrimento de quem carrega a mala como sendo a própria cruz e procura depois um lugar, cada vez mais escasso, enquanto o barco vai afastando a água do rio até atingir a sua altura mínima relativamente ao nível da água com cerca de 80 pessoas a bordo. Valeu-nos o facto de termos os melhores lugares do barco numa viagem que prometia ser longa… No entanto, no ponto sublime do que descrevo em cima esteve o dia seguinte, em que ninguém teve qualquer tipo de sorte. Se tínhamos feito metade da viagem até Luang Prabang em dois barcos, os gestores da frota planeavam, enquanto descansávamos, fazer a segunda metade desta viagem em apenas um barco com as mesmas dimensões. Levaram de tal maneira ao extremo este seu princípio minimizador do conforto humano que hordas de revolução se levantaram dentro do barco quando turistas continuavam a entrar num barco já saturado e mesmo sem lugares livres. Enquanto pessoas se instalavam no chão as palavras de ordem eram: “Second boat” e “Let’s leave this boat”. Sorrindo e sem emitir qualquer palavra, os Tailandeses que planeavam a viagem, não emitiam uma palavra. A sua solução foi a de atirar o barco ao mar enquanto alguns turistas mais ferozes se agarravam a tudo o que estava perto do barco para não o deixar partir nestas condições de segurança. Outros atiraram-se logo aos poucos coletes que estavam disponíveis, num receio de que o peso que carregávamos pudesse em algum momento da viagem tornar-se insuportável para a carcaça de madeira. Certamente se sentiram mais seguros que os restantes quando o condutor de um barco mais pequeno que passava ao largo começou a apontar para a traseira da nossa tábua e o nosso “comandante” começou a dar voltas no mesmo local enquanto espera ajuda.
Depois de Luang Prabang (cidade histórica e antiga capital do que agora é o Laos) e quando me dirigir para uma cidade altamente turista como é Vang Vieng e daí para a ainda mais turística Angkor, não voltarei a cair no erro de pensar que estou num tipo de viagem altamente comercial como é o backpacker no sudoeste asiático e que serei consideravelmente enganado.
Percebemos que somos rodas dentadas numa enorme máquina industrial, quando em qualquer local onde chegamos encontramos as mesmas pringles, as mesmas lays, as mesmas oreo, as mesmas Chao beer, etc… Os preços esses, são o dobro do que qualquer um destes artigos podia ser comprado num supermercado no nosso país. É o prémio que o turista paga pela “exclusividade”.
Deste texto pode resultar a sensação natural de que esta é uma viagem que até agora me teria desiludido e que não valeria a pena fazer. Nada estaria mais profundamente errado. Sempre que falei na possibilidade de fazer esta viagem, o simples facto do meu interlocutor, fosse ele qual fosse, dizer sempre que conhecia algum português (povo normalmente sedentário o suficiente para nunca chegar tão longe) que já tinha feito essa viagem, me resfriava muitíssimo o apetite. Quando decidi fazê-la foi com essa certeza em mente mas com expectativa, agora superada, de que conhecer esta parte do mundo seria algo de fascinante, custasse o que custasse.

 

On the head of an elephant (Day 15: 2 de Agosto, Sábado)

A bonança, bem como a dificuldade de dormir, tinham chegado com o cantar frenético dos galos. O pequeno-almoço marca uma nova etapa. No entanto, um pequeno revés: à imagem do que já vem sendo habitual nos Tailandeses que gostam de nos empacotar, as contas tinham sido mal feitas. Como quem não quer a coisa, o guia, chegando-se ao pé de mim, deixa cair a ideia de que há um elefante a menos e alguém terá de ir na cabeça de um deles. Confortável, tenta convencer-me. Não duvidei muito sobre a quem tinha saído a sorte grande. O fotógrafo, Ricardo, não poderia correr o risco de falta de estabilidade e as meninas estavam protegidas pela aura do cavalheirismo. Pouco mais de uma hora em que estes enormes animais cruzaram os rápidos sem nunca afundar completamente e respirando com a tromba fora de água. Deixara-se irritar, isso sim, com a minha presença na sua cabeça o que explica ter agarrado um ramo com a tromba que utilizou para me castigar. Justo, afinal eu tinha pago para viver o desafio que ainda estava no princípio porque faltava descer parte do rio numa jangada de bambo… A ideia parecia fácil embora desconfortável. 2 horas em cima de bamboos e utilizando outro para pressionar o fundo do mar e direccionar a jangada não é uma actividade suave. A apreensão surge quando quem comandava a expedição parou numa aldeia para angariar condutores de popa para as jangadas que até à altura só levavam condutor de proa. A razão: havia chovido muito e o rio estava muito rápido. A nossa jangada, claro, não contaria com esse suplemento de segurança. Contava antes com a contribuição dos dois jovens ocidentais disponíveis. Ricardo na traseira, eu ligeiramente mais à frente, lá íamos entre trambolhões nos troços mais rápidos aguentando a jangada. Perdemos várias vezes os nossos auxiliares de bamboo, mas curiosamente vinham sempre ter connosco. Havia alguma apreensão no grupo sempre que a jangada afundava ou se inclinava decisivamente para um lado, mas havia uma confiança de que chegaríamos ao final sem grandes histórias para contar. O futuro surpreendeu-nos. Mais um tronco que se esticava rio dentro e que foi ganhando poder de inércia à medida que ia ficando preso ora nas pernas do primeiro passageiro, ora do segundo…até chegar às minhas pernas onde ganhou o embalo decisivo para atirar borda fora o nosso último passageiro, o fotógrafo Ricardo. Quando olho para trás grito homem à água e atiro-me para a traseira esticando o bamboo na sua direcção para o tentar trazer novamente para bordo numa altura em que a sua cara de sofrimento revelava as pedras na profundidade (não muita) do rio. Com pés martirizados, foi com satisfação que regressou à jangada para encerrarmos os dois dias do famoso trekking. O Ricardo ainda iria fazer o que faltava do rio em ratfing num barco desta feita insuflável. O resto dia do servia para preparar a viagem seguinte no que a partir de agora seria um contínuo de partidas.

 

Perfect Storm above our heads (Day 14: 1 de Agosto, 6ª feira)

Acordados cedo para dois dias de aventura fomos levados até ao primeiro ponto de paragem do programa padrão (porque cerca de muitas agências em Chiang Mai vendiam o mesmo programa) em que íamos tomar banho numas cataratas. Só o recém-chegado Ricardo se aventurou em banhos debaixo da forte queda de água numa altura em que começou a chover e apetecia tudo menos uma exposição ao frio. Era apenas um sinal dos céus para o que estava para vir. Depois, numa nascente de água quente, tomei, aí sim, o meu banho de imersão (único com tal iniciativa) e preparámo-nos todos para arrancar para a caminhada de cerca de 4 horas, ao longo de não sei bem que distância. A companhia para a caminhada era genial: uma família holandesa de 4 elementos (pais e casal de filhos) acompanhada de avô, viúvo há menos de um ano. Depois de sabermos que o pai tinha trabalhado na Philips Traffic (razão pela qual já tinha estado em Portugal em reuniões com a Brisa, desmistificando perante a orgulhosa Rita o mito de que a Via-Verde foi invenção portuguesa) e agora tinha duas empresas: 1 de formação de liderança que dava formação à média gestão e outra de recursos humanos que promovia o encontro entre mulheres licenciadas, com filhos e disponíveis para trabalhar apenas em part-time e empresas com estrutura não suficientemente grande para justificar um recurso especializado a tempo inteiro (ele explica, que ao contrário do que se poderia imaginar, a sociedade holandesa é bastante machista e foi a falta de população activa a promover este movimento). Era o caso da sua mulher que era uma secretária freelancer. Como boa família holandesa que era falava abertamente sobre todos os temas na frente dos filhos pelo que as primeiras conversas tocavam essencialmente temas como a liberalização das drogas e do álcool… Este casal acabou por se revelar numa grande companhia, sem dúvida.
A caminhada começou tranquilamente, com chuva miudinha que manteve a primeira subida lamacenta durante as primeiras horas enquanto tentava manter os sapatos limpos no que acabou por se revelar ridículo. O passeio por entre o verde denso era apaixonante. A densidade florestal deixava adivinhar uma grande e diversa fauna de aves que no entanto estava (e) migrada. Ocasionalmente o cheiro a estrume fresco fazia-me questionar sobre que animal domesticado, ou não, estaria a percorrer aquelas inóspitas encostas em busca de comida. Elefantes e búfalos seriam a resposta percebida no dia seguinte. A culminar uma das várias e longas subidas a vista sobre a imensidão dos vales e montanhas no norte Tailandês. A nebulosidade das proximidades não deixava perceber o que o guia descrevia como uma paisagem até ao limite do horizonte, mas nem por isso deixou de apaixonar. No topo da montanha, e por isso sem tecto de árvores, surge a sugestão de voltar a vestir os impermeáveis que tinham sido descartados pelo calor que estavam a provocar na dura subida, em caminho estreito. Na altura apenas um aguaceiro mas em breve viria o elemento que iria determinar o resto do nosso dia e marcá-lo de forma determinante: com todas as forças das monções abate-se sobre nós a destruição dos céus. Uma chuva como nunca tinha visto. Mais do que vista, esta chuva foi sentida. Era irrelevante se estávamos com impermeável ou não. Todos nós escorríamos água. Todos éramos afinal, água. As preocupações do grupo quando faltavam mais de 2 horas de caminhada eram simples: quem tinha máquinas de vários milhares de € batalhava com as probabilidades, os restantes procuravam manter-se em pé e andando em frente num terreno pantanoso e sempre inclinado. O desafio era grande principalmente porque tínhamos dois elementos com menos de 13 anos e outro com mais de 60 no grupo. Desafio era o nome do jogo e a razão pela qual era tão absorvente aquele momento. Se estivesse chateado com alguma coisa (o que não me lembro) esse sentimento desapareceu com o Desafio… Passo por umas bifas que estão de sandálias e verdadeiramente struglling. Depois o patriarca australiano passa por mim, tipo escorrega de lama uma vez. Depois outra. Ofereço-me para lhe levar uma das malas, num espírito de solidariedade que entretanto emerge. Uma paragem numa aldeia local e a esperança de que finalmente havíamos chegado. A dor da verdade mas a vontade de continuar pouco tempo depois da chegada para alcançar o destino ainda com luz solar. À chegada a felicidade, a roupa seca tirada de dentro de sacos plásticos, os litros de cerveja que caíram no vazio e inebriaram a noite enquanto esperávamos pelo jantar que tardou a chegar, dando tempo a que a natureza humana fosse percorrida em vários sentidos na troca intercultural de ideias. O descanso debaixo da fúria dos deuses foi possível até que às 2 da manhã fui lembrado que não tinha ido à casa-de-banho durante todo o dia… Não foi uma decisão fácil a de acordar os 10 companheiros de desafio à procura de luz, mas a natureza assim o exigiu…

 

Just the four of us (Day 13: 31 de Julho, 5ª feira)

Este foi o dia do encontro entre os dois “pares” que se conhecendo decidiram fazer a primeira viagem ao sudoeste asiático na mesma altura das suas vidas. Quando fomos acordados às 9 da manhã pelo “casal” recém chegado à Tailândia, havia uma certa ansiedade pela partilha daquilo que eram as experiências divergentes entre quem estava há duas semanas pelo sudoeste asiático e quem acabava de fazer uma viagem de 20 horas em avião seguida de outra de 11 em comboio. Este dia foi um compasso de espera importante para reagrupar as forças de quem as tinha pudesse ter perdido e visitar os últimos pontos de interesse da cidade que nos acolheu durante tanto tempo para uma viagem do género. Afinal de contas já lá iam 6 dias e o dia seguinte era de alguma (que acabou por se revelar muita) exigência física… Depois de escolhida a agência mais cara para a aventura, no briefing nenhuma referências às dificuldades que sentiríamos a partir do dia seguinte.

quarta-feira, julho 30, 2008

 

In the name of Budha


Posted by Picasa

 

Just for fun


Posted by Picasa

 

Preaching


Posted by Picasa

 

Strange result


Posted by Picasa

 

Difficult times


Posted by Picasa

 

Just for cooking


Posted by Picasa

 

Supostamente a caminho de the beach


Posted by Picasa

 

Going with the flow


Posted by Picasa

 

Paradise 1..

Posted by Picasa

 

Paradise 1.



 

Paradise 1


Posted by Picasa

 

Financial district, Bangkok


Posted by Picasa

 

On the phone with buda


Posted by Picasa

 

Budhist temples


Posted by Picasa

 

Lying Buda


Posted by Picasa

 

Dealing bananas

Posted by Picasa

 

Floating disaster



 

Negociando a bandeirada...

Posted by Picasa

 

Uma aventura ou um plano meticuloso?

Tem sido uma constante, as minhas viagens serem caracterizadas por terceiros como aventuras. O motivo talvez seja um conjunto de características comuns às mesmas, como a ausência de marcação de hotel para passar todas as noites, não ter transferências entre os diferentes pontos a visitar previamente estabelecidas e ainda a parca quantidade de objectos pessoais (roupa, medicamentos, cremes, objectos de casa de banho) ou bens típicos de primeira necessidade, que levo comigo. Começando por este último ponto é verdade que cada viagem que passa, o esforço para reduzir o peso acartado, é superior. No entanto por maior que seja o esforço acabamos sempre por esbarrar no essencial. “Ah se calhar vou precisar desta fixa com adaptar para 40 tipos de tomadas diferentes…”; “ Xi, já me esquecia de um creme para os pés, fundamental após longas caminhadas (este elemento é uma imagem de ficção sugerida pela visão da minha casa de banho com o famoso Fuss Fich esse grande desodorizante e refrescante de pés que na verdade nunca viajou comigo)”; “Onde é que está aquele livro que queria mesmo acabar. Esta viagem é a oportunidade ideal”; “Hum, acho que vou ainda levar o meu computador. Já não sei escrever à mão e assim garanto que fica tudo num formato editável e publicável (comodismo ou talvez não uma vez que implica andar com mais, e agora digo orgulhoso pela minha nova compra, 2 kgs do meu portátil de 12’’). Depois temos a roupa que é escolhida de acordo com uma fórmula simples: dias de viagem (DV)/ (factor de higiene1) x (boxer+T-shirt ou camisa+par de meias) + DV/(factor de higiene2) x calças + par de sapatos x cenários de viagem + diversos (saco cama, toalha, material de casa de banho e pouco mais). Depois de gerado um valor podemos fazer alguns ajustamentos que ultimamente têm feito a minha mala tender para zero. Por exemplo, nesta última viagem para os 25 dias de viagem o meu factor DV foi de apenas 15 (claro que também existe um limite no meu armário de cerca de 30, mas já revela boa vontade para com as minhas costas…). Estes ajustamentos estão profundamente relacionados com uma estimativa que fazemos das distâncias a percorrer e do tipo de mala que levamos. A ideia é estar 100% equipados com tudo o que nos vai fazer falta no mais remoto dos cenários… Sobre mala, estamos falados. Depois comentava os locais onde dormir. Aqui penso que olhar para um mapa, ler meia dúzia de comentários e atirar um cartão de crédito a um site desconhecido é extraordinariamente aventuroso. Pelo contrário, levar connosco um guia com 3 ou 4 opções possíveis e deixar que as circunstâncias do momento decidam a melhor opção (salvaguardando que no local não existe uma enchente), regateando eventualmente o preço pré-estabelecido é muito mais meticuloso. Este é o rumo que tenho seguido recentemente. Quanto aos locais a visitar não há muito para argumentar: quando vou a um destino tipicamente dá-se o caso de ter muito mais coisas a ver do que o tempo que tenho me permitiria. Cruzando uma hierarquia de prioridades com um percurso razoável chego a um plano altamente detalhado, com eventuais bifurcações de escolha aqui e ali, mas que no essencial é muito meticuloso. Quanto às deslocações entre os diferentes pontos do mapa a visitar confesso que o mais meticuloso e irritante é mesmo ter os famosos encontros à entrada do hotel para ir para o aeroporto num mini-bus que nos levam em horas de aborrecimento. Por outro lado não seria nada meticuloso ter ligações marcadas sem saber as datas exactas em que vou estar em cada sítio (muito menos a hora), embora tenha um elevado nível de previsibilidade. Assim esta parte fica parcialmente em aberto…
Um outro factor de planificação é a planificação já feita por terceiros. O que tenho sentido nesta viagem é que tudo o que tenho feito já foi feito por outros e normalmente, muitos outros. Por este motivo as coisas estão de tal maneira organizadas e previstas que mesmo que eu não planeie nada, letting my self go with the flow e tendo em conta aquilo que me apetece fazer em cada momento, conduz-me a uma viagem muito parecida com aquela que o plano mais meticuloso me poderia permitir. A melhor parte é que a terei alcançado sem tanto esforço pessoal…
Que lembre em termos de planeamento a única parte onde efectivamente perdi algum tempo (para além de fazer a mala) foi o ter-me colocado à disposição para a inoculação de uma entidade agressora de livre e espontânea vontade. Bolas a única parte que planeei foi estúpida…
Parece-me portanto que a questão inicial é difícil de responder…
Aventura ou não que seja mais uma viagem reveladora da riqueza da natureza (na sua componente geofísica, mas acima de tudo humana).

 

meditation retreat @ wat suan dok

Nunca conseguirei ser tão descritivo por isso aproveito quem teve essa capacidade antes de mim. Em baixo a descrição do curso de meditação que me ocupou entre os dias 11 e 12 da viagem. Esta discrição diz respeito a um curso igual ao que vivenciei em Chiang Mai, simplesmente em data posterior. As diferenças acontecem em pormenores nos quais não me consigo focar para descrever. Há, verdade seja dita, toda uma vivência interior que é única. Partilho algumas impressões:
· É estranho estar num grupo de 37 pessoas que não conhecemos, que chegaram a Chiang Mai com histórias de vida tão diferentes, que vêm de países tão distantes e depois vê-las passar por nós, todas vestidas de igual (branco) sem que no ar tenha ficado nenhuma palavra. Eventualmente um breve sorriso… Se a contenção verbal faz sentido neste contexto, como não pensar nas dezenas de oportunidades que diariamente temos para estar calados… Segundo o Budismo devemos apenas falar se o que vamos dizer está em sintonia com as pessoas à nossa volta, vai produzir efeitos positivos à nossa volta e for verdadeiro. Conseguimos pensar na percentagem de vezes em que abrimos a boca desta forma. Se calhar teria ficado mais tempo calado do que durante estes dois dias de retiro durante um dia normal…
· Para mim a meditação é mais como um treino da mente. Obviamente que pode parecer um pouco ridículo estar durante 1 hora a observar a minha respiração ou a andar e pensar direita, esquerda. Mas este treino da mente faz para mim sentido quando pretendo estar mais atento a cada pequeno aspecto que o presente tem para me oferecer. Quantas vezes não estamos a trabalhar, a resolver problemas uns atrás dos outros e se nos perguntássemos o que estivemos a fazer não sabíamos responder. Uma mente que pensa esquerda e direita saberia responder. Quantas vezes nos irritamos com uma pessoa. Uma mente que conta um, dois,… a cada inspiração teria notado o momento em que a irritação surgiu.

tuesday, february 12, 2008

2pm - flag a saengtaw to wat suan dok. the next two passengers to get on are two aussie girls who happen to be heading to the retreat too!

2:15pm - we arrive at the monk chat office at wat suan dok, it feels like the first day of school or summer camp or something. a few people are waving to friends or fellow travelers they recognize. most people are quiet and keeping to themselves, but there’s a group of “bad girls” - the ones who would be in detention soon if this were really the first day of school - they’re chatting loudly amongst themselves while one with scruffy bleach-blond hair juggles some random objects fished out of her huge backpack. i wonder how they’ll fare when we have to be “silent”… over 50 people showed up for this week’s retreat - mostly twenty-somethings, and from countries all over the globe: ireland, switzerland, fance, UK, australia, NZ, germany, portugal, you name it! plus about a half-dozen from the good old US of A. most have packed light since our stay is only overnight, but others that are in transit are toting those huge “backpacker” bags (geez i’m so happy i don’t have one of those!)

3pm - we all gather in the meditation room for an introduction to buddhism - the history, general concepts, etc. including a question and answer period, led by a young cambodian monk named phra chuni. we start off by going around the room and introducing ourselves, where we’re from, and telling about our previous experience with meditation. for most, this is their first time practicing, although there are a few who have been on retreats before or who make it a part of their daily practice.

4:30pm - our saengtaw (it took 3 to fit us all!) arrive at the meditation center, a bumpy 25 minute ride from central chiang mai, in the middle of a small country village. we met “mr. ben,” a young, sort of chubby thai student, who would serve as our “event coordinator” for us during our stay. mr. ben assigned us rooms and i paired up with a taiwanese yoga instructor from new york named chati. all the participant’s rooms are in the same long, narrow building, and all the rooms are spacious and clean. on our beds are a set of white clothing for us to wear. as “novice” meditators it is tradition for us to wear white, while the monks wear the traditional saffron-colored robes.

6pm - the gong sounds for dinner and we all gather in the dining hall. before we eat, we chant in the pali language in order to contemplate on the food before eating it. our senior monk explains that it is important for us to remember that we are eating for the nourishment of our bodies, and the nourishment of our hearts and minds as well. we also must keep in mind those who are less fortunate and who don’t have enough to eat. from this point on, we are to be silent, out of respect for one another’s meditation practice. even something as simple as eating can be done with mindfulness and a “medatative mind”, rather than rushing through a meal and barely even noticing what we ate. (that said, dinner was vegetarian pad thai and it was delicious!)

6:30pm - we’re welcomed in the meditation hall by the senior monk, Phra Dr. Saneh Dhammavaro, and four young monks of various backgrounds - they come from cambodia, burma, vietnam. our head monk is from thailand though, and he speaks very softly, and slowly (he sounds so wise!) and always encourages us to have a “happy face,” which i thought was cute. his english is good, although he gets caught up on phrases here and there, he always speaks with an earnestness and sincerity. we learn to pay homage to the “triple gems” - the buddha, the darmha (his teachings), and the sangha (the people), then we are taught the basic techniques of meditation - sitting meditation, walking meditation, and lying meditation. all are pretty challenging for me, but i found that my favorite was lying meditation, as it was the easiest to keep my mind from being distracted in this state. (although it was difficult to keep awake at times!)

8:45pm - we finish up our group meditation session by “spreading loving kindness” to all living beings. our teacher explains that this means ALL living beings, there are no exceptions for your enemies, for animals (even those pesky mosquitoes), people who are at war, etc. - ALL living beings deserve your compassion, good wishes, and loving kindness. among the things that we chant are that all living beings be free of suffering, depression, pain, violence, war, hatred, and anger. we also send out wishes of happiness and peace, then pay respect to the triple gems one more time before heading to our rooms.

9pm - time for an evening snack prepared by the staff - hot cocoa, tea and cookies. so cute! again, we eat in silence and some headed to the meditation room to practice sitting meditations, some heading for the courtyard to practice walking meditation… i headed to bed to practice lying meditation, and was soon drifting off to a calm, peaceful sleep. because we’re out in the countryside, the only noises you hear are crickets, frogs, and various other animals humming us softly to sleep.

wednesday, february 13, 2008

5am - the gong sounds, rousing me from my peaceful sleep - no kidding, i was drooling and everything!

5:30am - we report to the meditation hall for some gentle yoga, stretching, and morning meditation. we also did a few exercises that require coordination in order to “wake up your mind” so that you don’t fall asleep when meditating, which sort of reminded me of playing patty-cake. haha!

7am - we all line up in the courtyard for the practice of giving alms offerings to the monks. here in thailand, buddhism is a part of daily life. the monks provide spiritual guidance and health for the people, and in return the people offer food, clothing, and anything else they need. if you go out early enough in the morning, especially in more rurual areas, you will see monks going from home to home and receiving the alms offerings in the street. to show us what it is like, we each stood with a bowl of steamed rice, and offered a spoonful to the monks as they passed through. then we were all to kneel on the ground and the monks chanted blessings for us in pali language - wishing us peace, health, happiness, etc. it was very moving! part of why thai people are so happy all the time is tied into this practice - they learn by giving alms to give from the heart.

7:15am - breakfast is served, after our morning chanting. you could have either toast (for the westerners) or a delicious vegetable and rice soup with thai chilies. now that’s my kind of breakfast! mmm!

8:30am - we break into two groups for discussion. our group talks about all kinds of things - the practice, where we are all from, buddhism, reincarnation, do monks play video games, and more. (yes, they do, by the way. haha)

10am - we meet for one last meditation session where we learn a more advanced walking meditation, then practice a sitting meditation on our own - the first unguided meditation of our stay.

11:30am - our last meal together (vegetarian green curry, yum!), again in silence. everyone seems a little bit sad - we all know we’re leaving soon and no one wants to go. it’s been a great introduction to the practice and we’re all just getting to rise above the uncomfortable sensations of trying to quiet our minds.

12:15pm - we clean up our rooms and head to the main hall for a group picture (which is supposed to be available to download from their website in a few weeks!) then we climb into the three saengtaw to head back to chiang mai.

i really enjoyed my time at the center, and i would definitely do it again. i also really enjoy the monk chat program run by the buddhist university here, and hosted by some of the same monks in our program. it gives you a chance to sit informally with the monks, and ask questions about buddhism or meditation and to understand how to make the practice work for you. overall, i really love the ideas that came out of this retreat. i love that they don’t try to force you to believe what they believe (in fact, some of the participants were christian and even muslim!) but they just wish that every person has the chance to learn something new or to take away a feeling of calm and peace. as our senior monk would tell us whenever we’d open our eyes from meditation - “smiling face, please”… i definitely left with a smiling face. =) they say to practice on our own, just 5 minutes each night before you fall asleep, and 5 minutes when you wake up each morning. i definitely think i can make the time for that!

 

Worrying skin (Day 12: 30 de Julho, 4ª feira)

A pele da Rita estava irreconhecível. Não tinha dormido toda a noite. Dizia ainda que sentia a temperatura acima do normal. Uma vez que este alergia tem tendência a diminuir durante o dia e provavelmente nada poderia ser resolvido naquele momento decidiu corajosa aguardar pelo regresso à cidade a seguir ao almoço. No hospital, nada de novo. Levou mais tempo do que da primeira vez porque era dia de semana e a conclusão do médico foi a mesma: intensificar a dose de cortizona e ir novamente ao hospital no dia seguinte para ouvir o especialista dizer a mesma coisa. Com aquela reacção da pele não era caso para menos…
Depois de um dia de meditação nada como um combate de Muai Thai para manter o espírito de paz interior. A prova desportiva, mais próxima da agressividade humana que tinha assistido ao vivo eram as touradas. Não pude então de ficar positivamente surpreendido com esta forma de dança de serpente que é a luta Muai Thai. Para além de ser um combate corajoso porquanto existem poucos limites aos golpes a utilizar (pontapés, cotoveladas, joelhadas, socos e com exclusão apenas da cabeçada essa forma tão bonita de arte) é ainda dinâmico e coreográfico. A intensidade cobarde com que vivi o combate é uma garantia de que voltarei a interessar-me por Muai Thai.

 

Going inside (Day 11: 29 de Julho, 3ª feira)

O dia começa com o re-packing, preparando a saída do hotel. Esta seria uma saída de apenas uma noite em que íamos ficar no mosteiro budista. Há uma certa curiosidade na minha cabeça. Há pouco tempo fiz um pequeno retiro de meditação em Portugal (o que é relativo porque foi de duas noites e este seria de apenas uma), mas este teria toda uma nova componente cultural de contacto directo com monges tailandeses e com um grupo de pessoas de todas as partes do mundo. Uma vez que o programa inclui tempos de discussão sobre alguns temas de espiritualidade havia um potencial de acréscimo de valor interior considerável. Antes de entrar em silêncio, havia ainda tempo para uma subida à montanha que vigia a cidade de Chiang Mai e onde se encontra mais um templo repleto de estátuas de buda que devem ser olhadas de forma cabisbaixa.


 

Sweat song (Day 10: 28 de Julho, 2ª feira)

Um dia claramente diferente. Começar com uma ida ao mercado para depois passar à cozinha é uma experiência pela qual não esperava passar voluntariamente. Mas no fundo é melhor dar o primeiro passo antes que a realidade venha por ela ter connosco. Aprender a cozinhar… Ai está um desafio extraordinariamente ousado para mim. Depois do esforço sobre humano em Erasmus nunca mais tinha entrada numa cozinha com este objectivo, muito menos para cozinhar algo que adivinhava complexo. Mais uma vez estava enganado. Talvez porque o curso esteja feito dessa maneira e nos é explicado tudo com detalhe. Não evitei no entanto apanhar com vários projécteis de óleo a arder. No fim era mais a barrigada pelo que tinha cozinhado para comer do que propriamente os conhecimentos de cozinha. Mas alguma coisa ficou e quando voltar à cozinha com este objectivo, receitas tailandesas estarão no menu…
Digestão a ver um filme. Uma vez acabado a barriga ainda continuava a batalhar. A única solução: uma longa caminhada até à zona de vida nocturna. Um bar sobre o rio a fazer-me lembrar a minha cidade… Estou cada vez mais apaixonado por Chiang Mai… A música ao vivo foi genial! Just what I needed before going inside…

 

Indecision (Day 9: 27 de Julho, Domingo)

O guia dava-nos a informação de que um curso de meditação começava nesse mesmo dia à tarde. Fomos por isso logo de manhã ao dito templo. Havia uma grande indefinição sobre como seguiria a viagem a partir daqui uma vez que dois amigos que se queriam juntar a nós chegariam a bangkok dentro de 4 dias. Que fazer até lá ou se devíamos seguir viagem era a questão para a qual não tivemos resposta durante tanto tempo. Por esta altura, a infecção na pele da Rita tinha atingido proporções consideráveis pelo que a única solução foi mesmo ir ao hospital. O diagnóstico foi o mesmo que tinha recebido em Portugal: sei que tens uma alergia mas não faço ideia a quê. Uma vez que não há nenhum denominador comum no último mês da Rita fica um grande sentimento de impotência e de dúvida sobre o que fazer. Mais templos e mais templos. Chiang Mai é uma cidade deliciosa. Dá gosto passear por ela fora. Sinto-me em casa. Tenho vontade de desacelerar por aqui. Há cafés com óptima pinta em cada esquina. A simpatia das pessoas é grande. A oferta nos mercados variada. Os programas interessantes. Com um curso de cozinha no dia seguinte, de meditação nos outros dois e trecking de mais dois dias a partir daí, a decisão de passar uma semana por estas bandas estava tomada. Tempo para um passeio pelo Sunday market e comprar dezenas de coisas por valores ridículos.

 

Good Bye Indic Ocean (Day 8: 26 de Julho, Sábado)

Depois desta passagem algo fracassada (é engraçado como o fracasso está unicamente relacionado com as expectativas) não tínhamos planos para voltar a ver o mar… Certamente que o mar iria cair sobre as nossas cabeças muitas vezes mas nunca o contrário. Chiang Mai tinha de ser um bom destino. Escala na maior cidade do país, com chegada tardia à segunda maior cidade de um país com a população muito bem distribuída territorialmente.
(Voo a incluir)
A satisfação por não ter assédio de taxistas e já ter hotel de destino previsto foi grande. Maior ainda quando à chegada um simpático Tailandês, elemento da família que gere a guest house, nos explica em detalhe o que há para fazer em Chiang Mai e nos dá todas as informação úteis de que precisávamos e mais algumas, sem qualquer interesse comercial. Soube tão bem… Green food before bed.

 

Going down (Day 7: 25 de Julho, 6ª feira)

Uma vez que as perspectivas de tempo não eram as melhores e a chuva tropical fez-se sentir de forma particularmente violenta sobre o fraco tejadilho do nosso quarto durante toda a noite, foi uma enorme satisfação acordar para ir mergulhar e ver o céu pouco carregado. Por outro lado ao chegar ao porto, a informação de que os pescadores estavam todos em terra, sinal de que o mar estava verdadeiramente agitado. Uma vez na água e fora da protecção da baia, confirmamos o facto: o mar estava muito agitado e poderíamos fazer mergulho apenas em zonas mais abrigadas. Com o barco a oscilar submergimos pela primeira vez para o interior do grande deserto de serenidade que é o fundo do oceano. No fundo do mar, e uma vez ultrapassado o medo de não ter ar ilimitado, sentimo-nos muito tranquilos. Sentimo-nos parte de um ambiente que não é nosso por natureza. As pernas vão oscilando muito lentamente. O resto do corpo está parado. A pressão sobre o corpo é massajadora. O pouco ruído que se houve é da água a mexer e alguns animais a trincarem a vegetação local. Quando no final do primeiro mergulho toda a gente fala dos peixes que viu, estou mais interessado na sensação de tranquilidade que emergiu. Sim, a tartaruga e o tubarão eram animais interessantes mas depois observo-os melhor no National Geographic.
Regressado à ilha era novamente tempo de partir, desta vez num velho long-tail com destino principal à ilha onde foi filmado o filme. Após a primeira paragem para dar de comer a macacos, o fraco motor da cauda não pegou, naquele que foi o início de uma viagem tormentosa. O mar tornou quase insuportavelmente agitado e a viagem que terminou sem que pudéssemos ter sequer visitado a famosa ilha. Bem que tínhamos sido avisados…

 

Massive destruction (Day 6: 24 de Julho, 5ª feira)

Chegamos destruídos à ilha mais destroçada pelo Tsunami de há 4 anos. Ao chegar pensámos que uma vez que os hotéis estavam todos a uma walking distance poderíamos chegar a qualquer um sem ter de passar por nenhum serviço do tipo “banhada para turistas”. Profundamente enganados outra vez. Dezenas de agências exibiam os seus placares com fotografias de hotéis que se encontravam a poucas centenas de metros das próprias agências. Acabados de chegar à ilha e sob a promessa de que caso não gostássemos do quarto podíamos voltar à agência para trocar lá fomos parar ao buraco paradisíaco com lixo e obras à volta (afinal a ilha ainda se está a recompor) do qual estávamos demasiado cansados para sair com malas às costas. Na verdade não era assim tão mau como isso… pelo menos até descobrirmos que a retrete podia ficar entupida em situações menos convenientes. Com mau tempo optámos por organizar o dia seguinte: marcar scuba diving e viagem de barco à ilha do filme. De regresso à barraca no paraíso revimos o filme “the beach” para antecipar a viagem do dia seguinte.
Uma alergia na pele que a Rita trazia de Portugal, começou a piorar e nesta altura queixava-se já de manchas pelas pernas, braços, ...

 

Paradise 1 (Day 5: 23 de Julho, 4ª feira)

Areia branca, água a 27 graus e calmaria até aonde o olhar ver. Pela ilha acima um verde forte a assinalar a vida. O excesso de calma também pode ser aborrecido, pelo que começamos na busca de alguma actividade. Talvez um passeio de barco à volta da ilha. Parece que toda a gente à nossa volta teve a mesma ideia. Ainda estávamos a assentar nessa ideia e já três tipos com o mesmo panfleto nos ofereciam o programa, segundo reclamavam, pelo mesmo preço sob pena de sofrerem penalizações (será que esta também passava na autoridade da concorrência). Num long tail boat, o típico barco de pesca local, arrancámos pela água feito chão, para várias paragens ao longo das diferentes praias da ilha. Visita a uma pequena queda de água na primeira paragem, snorkling na 2ª e almoço na 3ª (talvez outras paragens para mergulho pelo meio). Tudo dá imenso prazer quando o sol está radiante por cima das nossas cabeças e esse foi-nos oferecido… Ao almoço, juntámo-nos a um tipo da Singapura com quem já vinha falando durante o passeio (achou importante contar, por exemplo, que num curso de piloto nos USA tinha conhecido vários portugueses e um deles era madeirense amigo do Ronaldo. O que o fará mais feliz a este português: ser piloto de caças ou ser amigo do Ronaldo?). Viajante solitário (depois da namorada ou ter deixado já com viagem comprada), com cerca de 30 anos e munido apenas de óleo bronzeador, tinha pousado o seu F16 da força aérea da Singapura durante uma semana para se estender na praia. Aprofundei a minha curiosidade e apetite por uma carreira de piloto aéreo. Estas trocas de como vieste tu cá parar e conta-me coisas sobre o que fazes são talvez a melhor razão para viajar. Claro que se podem tornar cansativas principalmente porque a primeira abordagem é sempre igual e como sabemos a repetição é cansativa ao ser humano. Depois há sempre os momentos especiais como quando ao nosso lado tentam afastar uma formiga e ao soprar sai um bocado de frango (a formiga agradeceu e o almoço da Rita nem por isso ficou menos completo). No regresso um jogo de voleibol noutra praia ainda. É sempre reconfortante a universalidade de certos momentos. A forma como as equipas se organizam, a emergência de um organizador, a oportunidade para alguém ser o contador, mesmo o nível de jogo, etc., são iguais em muitas partes do mundo, mas neste caso num ambiente de diversidade cultural.
Este dia iria fundir-se particularmente com o próximo, uma vez que depois de apenas uma noite nesta ilha íamos mudar para o outro lado da península de Puket (uma perna que sai do bocado de terra que liga a Tailândia à Malásia). Pensámos: viajando de noite poupamos uma noite de hotel e chegamos a tempo de aproveitar o dia nas famosas ilhas Phi Phi onde se encontra, entre outras coisas, a praia que deu nome ao filme: a praia. Decidimos voluntariamente ignorar dois factores que invalidaram a nossa aposta: fazendo uma viagem de barco durante a noite (6 horas), de autocarro durante a madrugada (3 horas) e novamente de barco (3 horas) chegaríamos mais cansados do que alguma estaríamos durante toda a viagem e ainda ignorámos o comentário feito pelo comandante (pelo menos era ele que estava a tentar impingir ganza aos passageiros) do nosso long-tail na ilha Ko Pag Nhan, de que o bom tempo que estávamos a apanhar nesse dia, iria contrastar com o mau tempo que poderíamos apanhar do outro lado da península, na ilha para a qual nos dirigíamos…

 

Ticket to final destination (Day 4: 22 de Julho, 3ª feira)

Quando podíamos estar já a entrar no ritmo Tailandês, eis que o despertar é ainda mais cedo do que na manhã anterior. Alvorada às 23h00 de dia 21 de Julho hora Portuguesa. Objectivo: chegar a Ko Panham. Aqui poucas coisas nos podiam preocupar a não ser a única razão para a ausência de preocupação: desde que aterrámos no aeroporto até chegar à ilha final tudo estava a ser tratado por uma “agência”. Só iríamos chegar à ilha ao final da tarde para dois dias depois estar a partir. Custo de quem cobrir uma zona tão grande em pouco tempo. Só esperávamos que estivesse bom tempo…

Flight Departing Arriving
FD3183
Economy
Promo
Bangkok (BKK)
Suvarnabhumi International Airport
Tue 22 Jul 2008, 0900 hrs
Surat Thani (URT)
Surat Thani Airport
Tue 22 Jul 2008, 1015 hrs

A viagem de avião foi curta, mas a partir daí entrámos na corrente dos turistas. Estavam dois autocarros à porta do aeroporto para “carregar turistas”. Ainda não tínhamos percebido na altura mas na Tailândia ninguém vai insistir muito para que compremos qualquer coisa. No entanto, passado pouco tempo percebemos que muitas vezes não temos alternativa ou que no caso de existir poderá sair ainda mais cara (talvez seja o preço da originalidade). Ah, e tudo sem que seja trocada uma palavra em inglês (vá, mais de duas). Percebemos isso quando nos dirigimos para o autocarro com melhor aspecto e nos sinalizaram que esse não era o nosso autocarro. O condutor do nosso suposto autocarro embirrou com a nossa atitude e deixou um enorme fluxo de turistas embarcarem à nossa frente antes de nos propor que tentássemos aquele que inicialmente tínhamos abordado. Por dentro não tinha assim tão bom aspecto… Não era claro onde comprar bilhete, mas assim que o autocarro arranca a revelação acontece: estávamos a ser conduzidos por uma agência de viagens, que nos começou a vender todas as opções para seguir a partir do aeroporto se Surat Thani. Tentavam vender-nos toda a viagem até à ilha onde queríamos ir, fosse esta qual fosse. O que fazer, quando a única coisa que estávamos efectivamente a consumir era uma viagem de autocarro até à cidade mais próxima? A primeira abordagem, incauta, foi a de dizer que como ainda não sabíamos para que ilha nos dirigíamos, queríamos ser abandonados na primeira cidade para a partir daí comprarmos directamente os transportes nas bilheteiras das companhias que fazem esses transportes. Deixados nos escritórios da dita agência, numa cidade que não conhecíamos a pouco tempo de partir o primeiro barco, percebemos que não nos restava outra alternativa senão comprar lhes todos os bilhetes até ao destino final. Se foi caro ou barato não sei. Este tema já atingiu dimensões demasiado relativas…
O dia tinha começado cedo e previa-se longo. Depois de termos “nascido” com o sol as melhores previsões apontavam para uma chegada ao destino com o mesmo a pôr-se no horizonte (ou assim esperávamos que o tempo permitisse). Assim aconteceu. Assim que as amarras foram lançadas ao porto, novo ataque de taxistas se preparava. Desta feita não se tratava apenas de uma agência mas de “várias opções” ao mesmo preço. A nossa tentativa de originalidade foi rapidamente abortada. Feito o check in num hotel sobre a praia pelo modesto custo de 10€/noite e paga uma caução de 20€ (imagino como ficarão os quartos depois de uma full moon “full drugs” party) estávamos instalados. Uma descarga celeste de água e um “apagão” encerram o dia que recomeça antes do esperado, cerca da 1 da manhã (não posso confirmar), quando regressa a electricidade e com ela um estrondo de música pela ilha toda. Não percebo quem poderia estar a ouvi-la porque a ilha vivia a ressaca da full moon de há uma semana e estava pouca gente, mas a verdade é que a música e as minhas voltas na cama duraram até às 6 da manhã, altura em que o sol nasceu.

 

Finally arriving (Day 3: 21 de Julho, 2ª feira)

Depois de uma insónia daquele tamanho despertar cedo podia não ter sido complicado, mas a verdade é que me lembrei de adormecer 1 hora antes do autocarro, que tínhamos marcado no dia anterior para ir ao mercado flutuante, partir. A Rita dormia profundamente. Partimos então para o mercado flutuante às 7 da manhã juntamente com uma manada de turistas (pelo menos a julgar pelo que vimos à chegada). Em termos de mercado de pouco nos serviu, porque nada comprámos (vale a pena guardar as compras todas para o final da viagem). O aspecto flutuante da coisa foi mais engraçado.
À tarde tivemos tempo para visitar alguns templos budistas. Até entrar no último (não turístico) estava admirado com o facto de nenhum deles ter uma zona para as pessoas simplesmente meditarem/rezarem. Eram simples memoriais com estátuas de budas…
Tempo ainda para a primeira massagem Tailandesa. Não sou consumidor de massagens mas a 7€ por 1h15 e principalmente uma massagem que não passa por simples festinhas no corpo mas sim de tal maneira vigorosa que a dor está sempre ao virar da esquina acedi com enorme facilidade. No fim o corpo agradece com leveza e elasticidade.
Mais um jantar “green” e cama porque amanhã há nova viagem.

 

Bang… (Day 2: 20 de Julho, Domingo)

Bangkok 8 da manhã locais, 2 da manhã em Lisboa. Temperatura ambiente 30º. Humidade relativa 95%. Poluição atmosférica considerável.
Na chegada à cidade a primeira sensação de humidade. A cabeça já estava preparada. O corpo foi-se habituando com uma calma natural.
Quem não sente uma certa desconfiança perante o assédio dos taxistas à chegada a um novo país? Curioso aqui o facto de os taxistas fazerem fila em pé num gichet, à espera de clientes. Quando o corpo se começava a habituar ao clima local, o frio gélido ao entrar no carro movido a gás natural e gás de ar condicionado. O corpo fica desorientado…
Depois de fazer o Chek in no Kao San (nome da rua) Palace (só de nome) tivemos a agradável companhia de duas amigas que faziam escala em Bangkok antes de rumar de novo a Lisboa, depois de uma viagem parecida com aquela que nos preparávamos para fazer. Todas as informações são importantes… O que não estávamos à espera era de receber também um telemóvel Tailandês associado a tarifas baratíssimas (o custo de uma chamada internacional é pouco mais que o custo de uma chamada local em Portugal). Turismo neste dia resumiu-se a passear pela China Town e ver a John Tompson House (Ocidental que tinha passado por esta zona do globo durante a 2ª guerra mundial e mais tarde voltou para montar o seu negócio. Uma mistura entre cultura local e cultura ocidental).
À noite passei uma forte insónia, afinal muita coisa havia mudado nas últimas horas… Para além disso tinha bem perto da minha orelha um tipo a fazer covers de todas as músicas que eu conheço. Se ao menos tivesse força para estar no bar…

 

Flight EY 402 to Bangkok (Day 1: 19 de Julho, Sábado)

4:45- Faltavam-me 15 min para sair a apanhar o seguinte voo. A viagem previa-se longa e dura uma vez que se decompunha em 3 voos de média duração (3+6+6=15h), acrescido de horas de espera (2h30+2h30=5h) e ainda 6h de diferença horária. Tudo somado chegaríamos ao destino (Bangkok) 26 horas depois da partida. No momento em que antecipava na minha mente este plano de viagem, lembrei de me certificar que a Rita levaria com ela qualquer coisa que me faria falta. Não atendeu. “Não é importante”, tentei convencer-me. Não me perdoando este pensamento, a cabeça insiste, “Liga! Nem que seja para garantir que ela está acordada.” Da segunda vez atende assustada. Do lado de lá recebo apenas, “Que horas são?”. A correria começou e só acabaria dentro do avião às 6 da manhã.
O resto, são favas contadas. Um dia de dentro de aviões e aeroportos. Uma curta referência ao muito pequeno aeroporto de Abu Dhabi, onde, é chocante a quantidade de mulheres se cobrem, ao ponto de deixar apenas de fora os seus “pequenos” olhos.

LUFTHANSA - LH 4545
SAB 19JUL LISBON PT MUNICH DE 0615 1010
LISBOA FRANZ J STRAUSS
DIRECTO TERMINAL 1 TERMINAL 2 DURACION 2:55

ETIHAD AIRWAYS - EY 6
SAB 19JUL MUNICH DE ABU DHABI AE 1230 2030
FRANZ J STRAUSS ABU DHABI INTL
DIRECTO TERMINAL 1 TERMINAL 1 DURACION 6:00
VUELO NO FUMADORES
RESERVA CONFIRMADA - M ECONOMICO
A BORDO: COMIDA
TIPO DE EQUIPO:AIRBUS INDUSTRIE A330-200

ETIHAD AIRWAYS - EY 402
SAB 19JUL ABU DHABI AE BANGKOK TH 2215 0735
ABU DHABI INTL SUVARNABHUMI INTL 20JUL
DIRECTO TERMINAL 1 DURACION 6:20

 

O eterno regresso...


segunda-feira, agosto 28, 2006

 

Um dia cheio de interesse

1.
É sempre bom quando nos dizem que podemos beber mais uma imperial e guiar e principalmente quando o ministério desconhece as leis que produz:

http://publico.clix.pt/shownews.asp?id=1268447&idCanal=21

Um comunicado do Ministério da Administração Interna indica hoje que o Governo desconhecia a existência de uma directiva da Direcção-Geral de Viação que estabelece uma margem de erro para os testes de alcoolemia.
De acordo com a nota, "o Governo desconhecia a existência de qualquer directiva emanada da DGV para as forças de segurança com o conteúdo relatado na notícia de hoje do 'Jornal de Notícias'".No comunicado do ministério lê-se ainda que "o secretário de Estado da Administração Interna pediu imediatamente ao director-geral de viação para que lhe sejam apresentadas ainda hoje explicações cabais sobre a situação relatada na notícia".O JN revela hoje que as divisões de trânsito da PSP e da GNR só passam multas por excesso de álcool a partir dos 0,57 gramas por litro de sangue, uma notícia confirmada pelo porta-voz da GNR. De acordo com o diário, a medida é justificada com a necessidade de criar uma margem de erro que salvaguarde o possível mau funcionamento dos aparelhos de medição."Houve uma indicação da DGV no sentido de que há uma recomendação da Organização Internacional de Metrologia Legal, que admite a possibilidade de erro dos aparelhos de medição", afirmou o porta-voz da GNR, Costa Cabral, à agência Lusa. "E, em caso de dúvida, aplica-se sempre o tratamento mais favorável para o cidadão", acrescentou.Segundo o JN, a directiva da DGV altera igualmente a taxa a partir da qual a condução sob o efeito de álcool deixa de ser contra-ordenação e passa a ser crime.A lei estipula o limite de 1,20 gramas de álcool por litro de sangue, mas as novas directivas da Direcção-Geral de Viação passam a impor o valor de 1,30 gramas de álcool no sangue para que o condutor seja acusado de crime.Esta margem de erro só funciona para os testes com aparelhos, já que a fiabilidade das análises clínicas permitem manter os valores indicados na lei.

2.

Alguém se lembrou de uma forma de retirar o serviço de massagem ao pés diário de que goza Alberto João Jardim (o seu custo era 20,76 milhões de euros e os restantes 0,1 milhões de euros que serviam para furar a ilha tipo bolo de queijo também se acabou). Imaginem, chegaram lá pelo PIB.

http://publico.clix.pt/shownews.asp?id=1268446&idCanal=21

A proposta do Governo para a nova Lei das Finanças Regionais deverá beneficiar os Açores em relação à Madeira, já que o critério dominante na atribuição de verbas do Orçamento de Estado será o Produto Interno Bruto das regiões.
A informação é avançada pelo "Diário Económico", que cita declarações de Maximiano Martins, deputado socialista à Assembleia da República pelo círculo da Madeira.O documento com as linhas que o Governo pretende seguir deverá dar entrada na Assembleia da República em Setembro, para ser tido em conta no OE para 2007.No entanto, "as propostas podem ainda sofrer alterações no âmbito das comissões parlamentares", mas os gabinetes do primeiro-ministro e do Ministério das Finanças optaram por não fazer qualquer comentário sobre esta questão.O documento elaborado pelo grupo de trabalho liderado por José da Silva Costa prevê que a nova lei ponha fim à norma que impõem a transferência de uma verba igual ou superior à do ano anterior. Esta sugestão do grupo de trabalho já foi adoptada pelo Governo, segundo garantiu ao DE Maximiano Martins, responsável pelos assuntos económicos do grupo parlamentar do PS.Assim, de acordo com a nova lei, "as verbas deverão oscilar mediante um conjunto de critérios, sendo o PIB de cada região o mais importante".Pelo facto de o PIB da Madeira ser superior ao da média nacional, esta região poderá vir a perder, só nesse âmbito, 20,77 milhões de euros, estima o jornal

segunda-feira, agosto 07, 2006

 

Tenho para mim que esta é a melhor maneira de conseguir um preço de Pousada da Juventude num hotel de 4 estrelas

Transcrição integral da carta dirigida ao director do hotel onde me encontro:

Exmo. Sr. ou Sr.ª Director(a) do hotel Eurosol de Estarreja,

Como colaborador da Nestlé Portugal estou por vezes alocado ao centro de distribuição de Avanca pelo que me dão a oportunidade de decidir em que hotel fico hospedado nas imediações de Avanca, sendo que o Eurosol é fortemente recomendado. Desta feita, estou há quase 2 semanas no hotel e ficarei mais 2, estando muito satisfeito com a qualidade do serviço e simpatia do pessoal.
No entanto, chegado o fim-de-semana a Nestlé já não me oferece a possibilidade de ficar no hotel, razão pelo qual estou a escrever. Na verdade, gostaria de ficar em Estarreja este fim-de-semana e uma vez que já estou hospedado no hotel Eurosol esta parece-me a opção natural. Contudo o preço por noite é para mim algo elevado. Gostava por isso mesmo de lhe endereçar este pedido para que considere a possibilidade de me fazer um preço mais simbólico para estas 3 noites de dia 4 a dia 7 de Agosto (90 euros para mim seria um valor mais comportável por ex)(CADA VEZ FICO MAIS BABADO COM ESTE MOMENTO ORDINÁRIO DE SUGESTÃO DE VALOR A COBRAR). Ficar-lhe-ia extremamente agradecido.

Com os melhores cumprimentos,

Pedro Noronha da Câmara

Aceitam-se conjecturas quanto à minha carta de despedida no fim das 4 semanas.

By the way. This is the hotel: http://www.eurosol.pt/estarreja/alojamentos.htm

 

Porque é que o Tiago Monteiro acaba sempre as provas em que menos de para além dele 1 carro termina a corrida...?Eis a prova que faltava

NÓS OS PORTUGUESES SOMOS DESENRASCADOS!
Quando tudo está mal. Todos os factores externos apontam para a total descraça, nós saimos por cima. Agora já podem rescrever este comentário oh bifes do caraças!

Desenrascanço (loosely translatable as "disentanglement") is a Portuguese word used, in common language, to express an ability to solve a problem without having the knowledge or the adequate tools to do so, by use of imaginative resources or by applying knowledge to new situations. Achieved when resulting in a hypothetical good-enough solution. When that good solution doesn't occur we got a failure (enrascanço - entanglement). It is taught, more or less, informally in some Portuguese institutions, such as universities, navy or army. Portuguese people, strongly believe it to be one of the their most valued virtues and a living part of their culture. Desenrascanço, in fact, is the opposite of planning, but managing for the problem not becoming completely out of control and without solution.

However, some critics disagree with the association of the concept of desenrascanço with the mainstream Portuguese culture. They argue that desenrascanço is just a minor feature of some portuguese subcultures confined to some non-representative groups and to the end of the 20th century. Critics point out that in the last 30 years the education and culture of the portuguese people improved considerably and that the importance of desenrascanço is declining. Sometimes, the concept is related by some to the discoveries period or to student activities in the 15th century. But sceptics doubt there is any substantial prove of that relation. Critics also argue that there are other sub-cultures in other countries with equivalent concepts and that desenrascanço is not an exclusive of the Portuguese culture.

Universities

Desenrascanço has a role in the academic juvenile sub-culture in some educational institutions. In some universities and politechnical institutes, the older students known as doutores (Eng. doctors) teach Desenrascanço to freshmen (Port. Caloiros) in a ritual, well known as Freshman Reception in Portugal. It is alleged that this skill is taught (informally) in the Portuguese universities since the 14th or 15th century. The freshmen are ordered to do the most impossible things. They must comply or they will be punished. To solve the problems (desenrascar-se) they must be really inventive and/or have a very convincing reason when they cannot do it. Normally, if they cannot or if they are not smart enough, punishment is done. The punishment is supposedly done under the Praxis rules (Port. Código de Praxe) and aleggedly no harm can be done to the student. But they can get dirty, do a lot of exercise, and do embarrassing things in public or nothing for an hour. Purists claim that this rituals are a deturpation of Praxis traditions. Freshmen do this ritual because they want to be part of academic groups to have fun, continuous parties and lots of helping friends. In the rituals, the doutores are dressed in black (in 19th century traditional clothes) and freshmen dressed in white (normally a shirt and blue jeans).

Normal academic activities are also seen as a way to teach desenrascanço. For example, when the teacher does not disclose any suggestions to solve a problem, and the student must search for his own. But some of the best teachers disagree with this association since they believe that desenrascanço culture is precisely the opposite of a good universitary education.

Siemens, a known German company, has its offices in Portugal due to this Portuguese characteristic, employing hundreds of Portuguese engineers. They say "when a german gives up when encountering a difficulty, a Portuguese will work until it is solved." They also argue that is also "due to the quality of Portuguese state-runned universities and institutes".

Desenrascanço in the Discoveries Era

In the 16th and 17th centuries, it was very common for other exploring nations to bring a Portuguese national along during the voyages, for two reasons, 1) the Portuguese were skilled by previous knowledge and 2) and, alegedly, for handling emergencies well (what is also known among the Portuguese as "desenrascanço"). Of course, serious historians would disagree with the association between a 20th century idea and 17th century events.

Some groups from Portugal believe that they still have this characteristic, that, theoricaly speaking, make them the best people to handle emergencies, and the worst for situations where planning is needed. There's no impartial verification of those claims.



domingo, julho 30, 2006

 

O melhor poema da história da humanidade(versão portuguesa não literal de Felix Bermudez(talvez até melhor que o original))!

Se podes conservar o teu bom senso e a calma

Num mundo a delirar para quem o louco és tu

Se podes crer em ti com toda a força d’alma

Quando ninguém te crê; se vais faminto e nu

Trilhando sem revolta um rumo solitário

Se à turva incompreensão, à negra incompreensão

Tu podes responder, subindo o teu calvário,

Com lágrimas de amor e bênçãos de perdão


Se podes dizer bem de quem te calunia;

Se dás ternura em troca aos que te dão rancor,

Nas sem a afectação dum santo que oficia,

Nem pretensões de sábio a dar lições de amor,

Se podes esperar sem fatigar a esperança;

Sonhar, mas conservar-te acima do teu sonho;

Fazer do Pensamento um Arco da Aliança

Entre o clarão do inferno e a luz do céu risonho;


Se podes encarar com indiferença igual,

O Triunfo e a Derrota – eternos impostores;

Se podes ver o Bem oculto em todo o mal

E resignar, sorrindo, o amor dos teus amores;

Se podes resistir à raiva ou à vergonha

De ver envenenar as frases que disseste

E que um velhaco emprega, eivadas de peçonha,

Com falsas intenções que tu jamais lhes deste;


Se és homem para arriscar todos os teus haveres

Num lance corajoso, alheio ao resultado

E, calando em ti mesmo a mágoa de perderes,

Voltas a palmilhar todo o caminho andado;

Se podes ver por terra as obras que fizeste,

Vaiadas por malsins, desorientando o povo,

E sem dizer palavra e sem um termo agreste

Voltares ao princípio, a construir de novo;


Se podes obrigar o coração e os músculos

A renovar o esforço, há muito vacilante,

Quando já no teu corpo, afogado em crepúsculos,

Só existe a Vontade a comandar “Avante!”;

Se, vivendo entre o povo, és virtuoso e nobre

Ou, vivendo entre os reis, conservas a humildade;

Se, inimigo ou amigo, o poderoso e o pobre

São iguais para ti, à luz da Eternidade;


Se quem recorre a ti encontra ajuda pronta;

Se podes empregar os sessenta segundos

Dum minuto que passa, em obra de mal monta

Que o minuto se espraie em séculos fecundos;


Então, ó Ser Sublime, o mundo inteiro é teu!

Já dominaste os reis, os tempos e os espaços;

Mas, ainda para além, um novo sol rompeu

Abrindo um infinito ao rumo dos teus passos;

Pairando numa esfera acima deste plano,

Sem recear jamais que os erros te retomem,


Quando já nada houver em ti que seja humano,

Alegra-te, meu filho, então serás um HOMEM.


 

O melhor poema da história da humanidade(versão original)!

Rudyard Kipling
RUDYARD KIPLING
(Born December 30, 1865, Died January 18, 1936)

If

If you can keep your head when all about you
Are losing theirs and blaming it on you;
If you can trust yourself when all men doubt you,
But make allowance for their doubting too;
If you can wait and not be tired by waiting,
Or being lied about, don't deal in lies,
Or being hated, don't give way to hating,
And yet don't look too good, nor talk too wise:
 
If you can dream -- and not make dreams your master;
If you can think -- and not make thoughts your aim;
If you can meet with Triumph and Disaster
And treat those two imposters just the same;
If you can bear to hear the truth you've spoken
Twisted by knaves to make a trap for fools,
Or watch the things you gave your life to, broken,
And stoop and build 'em up with worn-out tools;
 
If you can make one heap of all your winnings
And risk it on one turn of pitch-and-toss,
And lose, and start again at your beginnings
And never breathe a word about your loss;
If you can force your heart and nerve and sinew
To serve your turn long after they are gone,
And so hold on when there is nothing in you
Except the Will which says to them: "Hold on!"
 
 
If you can talk with crowds and keep your virtue,
Or walk with kings -- nor lose the common touch,
If neither foes nor loving friends can hurt you,
If all men count with you, but none too much;
If you can fill the unforgiving minute
With sixty seconds' worth of distance run --
Yours is the Earth and everything that's in it,
And -- which is more -- you'll be a Man, my son!

quinta-feira, julho 27, 2006

 

As bestas do Clube 7tmo mereciam este mail...

Porque vivo na Sidónio Pais há cerca de 8 anos e porque considero que o Clube 7tmo sempre teve um bom serviço e uma elevada qualidade enquanto ginásio há 7 anos optei por me inscrever. Por motivos de lesão, na altura, deixei de frequentar o Clube durante algum tempo e a inscrição foi consequentemente cancelada. Cerca de 1 a 2 anos depois voltei a inscrever-me, na altura benefiçando de um desconto sobre a jóia de 50% e assim permaneci inscrito até que fui para o estrangeiro durante 4 meses e deixei de frequentar o clube 7tmo. Depois de novamente caducada a minha inscrição, aproveitei o facto de haver isenção de jóia e descontos para colaboradores do BPI onde trabalhei a partir de Julho anterior e voltei a inscrever-me no Clube em Agosto. Um ano depois os factos são:

1) Já me inscrevi por 3 vezes no Clube

2) Paguei uma Jóia e meia

3) A 1ª inscrição foi há 7 anos

4) Já não frequento o clube há mais de um mês, embora no pagamento esteja incluído o serviço até Agosto

Neste momento vou estar ausente de Lisboa por motivos laborais por mais de 6 meses e assim terei de deixar de ser sócio mais uma vez.

De que é que me queixo:

1) Que a Jóia seja tão elevada

2) Que não possa suspender a inscrição por mais de 6 meses o que dá origem a situações ridículas como a minha

3) Que a suspensão tenha de ser paga! (se não estou a usar o ginásio que raio de razão poderá existir para o estar a pagar! Mais vale a pena esperar por uma nova isenção de jóia que estão sempre a acontecer! Que raio de desenho de incentivos são estes!)

4) Que a mensalidade seja desadequada para padrões internacionais (sim, este é um mercado local, mas…)


Considero assim inaceitável que um clube que recebeu da Câmara de Lisboa o privilégio de ter esta localização pratique preços ridiculamente altos a nível Europeu (em Barcelona o mesmo serviço de que usufrui durante este ano no clube 7tmo é de é de 40. Eu paguei 80!!) e pior que tudo apresente tamanha rigidez e exploração dos sócios que já estão inscritos! Sou um fervoroso adepto das leis de mercado e certamente que se têm esta política é porque continuam com um nível de clientes mais do que suficiente para operarem com margens decentes. Não duvido disso mesmo. É assim que qualquer empresa funciona. No entanto considero que um bocado de pudor não afectava por aí além algumas das empresas em Portugal, nomeadamente o Clube 7tmo.

Grato pela vossa atenção e esperando algum tipo de reacção positiva por parte do Clube 7tmo

Com os melhore cumprimentos,

Pedro Noronha da Camara


domingo, julho 23, 2006

 

Being a Pilot

Um dos meus defeitos enquanto bloguista (para além da dificuldade em escrever) é o de não terminar ou não passar para o computador algumas ideias que considero incialmente de valor acrescentado para o blog e que chego mesmo a prometer vir a escrever sobre...

Alguns episódios como a minha ida a Trieste e Eslovénia não foram totalmente descritos ou sequer passados do meu bloco de notas para Word! Mas ao ler o meu bloco de notas deparei com o pormenor delicioso que ainda vou a tempo de incluir. Também a incluo porque está relacionada com uma actividade na qual me pretendo vir a inscrever em breve. Sim não gostaria de morrer velho sem ter Brevet!

O piloto da Ryan Air depois de falar sobre a sua manobra à volta do globo e sobre as condições climatéricas na origem e destino, etc acaba com um: “sit back, relax and enjoy the ride”! Este tipo deve estar bastante excitado com o facto de ser piloto. E pensando isto remeti imediatamente para um pensamento Seinfeld which goes like this:

The pilot of course is so excited about being a pilot, he can not stand himself. He is giving all this information about the route, etc. We are in the back thinking: I’m ok with that. Just do whatever you got to do. End up where it says on the ticket. That’s all I ask. Should we knock on the cockpit door and go: I am having peanuts now. That is what we are doing back here. I thought it was a got idea to keep you posted. I am not gone have them all. I am just gone a have a few now. I don’t want to finish it because it is such a big bag.

Assim seria recíproco


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]